All posts by vidaboa

GeoParque Naturtejo

O Geopark Naturtejo da Meseta Meridional, o primeiro geoparque português, é uma área classificada que passou a integrar as Redes Europeia (2000) e no Programa Geoparques Globais da UNESCO (2006) estabelecendo pontes entre várias dimensões do território, como a Biodiversidade, a Histórica, a Cultura e o Património Imaterial e baseia-se no desenvolvimento sustentável ao nível da geodiversidade, do ambiente, do uso dos recursos naturais, do envolvimento das comunidades e da sua preservação.

Continuar a ler →

Arrábida Mística

O Parque Natural da Serra da Arrábida (PNArr), criado em 1976 e ampliado em 1998, assenta num maciço calcário composto pelas serras da Arrábida, S. Luis, Louro e Risco, bem como da área marítima adjacente, a do Cabo Espichel. A sua vegetação possui um elevado valor natural dada a influência de 3 tipos de clima: euro-atlântico, mediterrânico  e macaronésio (arribas). A Serra da Arrábida, a última da Europa e Ásia, foi ao longo de séculos lugar de inspiração religiosa, mística e até literária.

Continuar a ler →

De Montedor ao Camarido

 

Sabia que o recém-criado Geoparque Litoral de Viana do Castelo acaba de ganhar o prémio Geoconservação 2016 da Associação Europeia para a Conservação do Património Geológico (ProGEO)? O mais recente Geoparque nacional conta-nos a história da evolução da zona litoral a norte da cidade de Viana do Castelo com base em seis geosítios de excecional importância científica, e onde podemos encontrar “gotas” de magma, icnofósseis, ou gravuras rupestres, como aquelas que podemos observar no Alcantilado de Montedor. Uma paisagem modelada por diferentes momentos da evolução geológica e marcas que remontam de há mais de 500 milhões de anos. Modelada também pelo homem da Idade Média a quem se deve a construção das “pesqueiras” existentes nos interstícios das formações rochosas,  com recurso a pedras soltas que deixavam passar o peixe na subida da maré e o prendiam na maré baixa, ou as pias salineiras escavadas nas rochas.

Continuar a ler →