Outono na Sierra de Gata

A Sierra de Gata, situada na parte noroeste da Estremadura espanhola, é formada por amplos vales e dobras que estão na origem de uma paisagem de uma beleza esmagadora. Nos bosques autóctones podemos encontrar bétulas, azevinho, zimbro, carvalhos, castanheiros ou azinheiras e pinheiros nas zonas mais baixas. Aqui produz-se um vinho típico, o viñu e um azeite extraordinário com Denominação de Origem. A Sierra de Gata, incluída em 1977, juntamente com a barragem de Borbollón, como zona de Proteção Especial ICONA e pela Sociedade Espanhola de Ornitologia (SEO) alberga mais de 1175 espécie, algumas protegidas, das quais se destacam a cegonha negra e o abutre, como as mais emblemáticas.

Continuar a ler →

PRIMAVERA EM SANÁBRIA

Uma das joias do Parque Natural de Sanábria, localizado na extremidade noroeste de Zamora, a norte de Bragança é o Lago da Sanábria. Inserido no vale do rio Tera, é o maior lago de origem glaciar da Península Ibérica e um dos maiores da Europa. Cercada por densos bosques de carvalhos, amieiros, teixos, azevinhos, bétulas e castanheiros, a bonita localidade de Puebla de Sanábria destaca-se pela sua altiva arquitectura popular.

Continuar a ler →

NEVE EM SANÁBRIA

A Ibéria mais agreste, representada entre nós pelo nordeste transmontano e em particular pelo Parque Natural do Montesinho, estende-se mais para norte através das Sierra de La Culebra e da Sierra de La Cabrera onde se situa o Parque Natural do Lago de Sanábria.
Localizado na extremidade noroeste de Zamora, a norte de Bragança e inserido no vale do rio Tera, o Lago de Sanábria é o maior lago de origem glaciar da Península Ibérica e um dos maiores da Europa. Cercada por densos bosques de caducifólias, a bonita localidade de Puebla de Sanabria vive o pulsar marcante das estações do ano.

Continuar a ler →

LA ALBERCA

La Alberca, San Martin de Castañar e Mogarraz, são aldeias serranas situadas no Parque Natural de Las Batuecas – Sierra de Francia, a sul de Salamanca. Uma típica arquitetura popular formada por ruas labirínticas e casas de granito com madeira à vista, beirais e varandas proeminentes, as suas festas, trajes, costumes, tradições e artesanato motivaram a declaração pela UNESCO de Conjunto Histórico – Artístico em 1940, relativamente à primeira, e em 1982, relativamente à segunda.

Continuar a ler →