O Geopark Naturtejo da Meseta Meridional, o primeiro geoparque português, é uma área classificada que passou a integrar as Redes Europeia (2000) e no Programa Geoparques Globais da UNESCO (2006) estabelecendo pontes entre várias dimensões do território, como a Biodiversidade, a Histórica, a Cultura e o Património Imaterial e baseia-se no desenvolvimento sustentável ao nível da geodiversidade, do ambiente, do uso dos recursos naturais, do envolvimento das comunidades e da sua preservação.

O Geopark Naturtejo constitui-se, pois, num vasto território de 5000 km2, integrando os concelhos de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Penamacor, Proença-a-Nova, Nisa, Oleiros e Vila Velha de Ródão, e que tem por missão a geoconservação, a educação e o geoturismo, alicerçados no seu importante património geológico em que assenta o desenvolvimento sustentável de toda a região. Esse vasto património geomorfológico, geológico, paleontológico e geomineiro, apresenta elementos de relevância nacional e internacional, de que são exemplos os icnofósseis de Penha Garcia, os canhões fluviais de Penha Garcia, das Portas do Ródão e do Almourão, a mina de ouro romana do Conhal do Arneiro.

Os trilhos que faremos, o primeiro no vale do Almourão, junto à foz do rio Cobrão e às Portas do Ródão, monumento natural, o segundo, remetem-nos para a importância da sua paisagem e da biodiversidade presente, em particular da colónia de grifos que nele nidificam e residem, e que teremos oportunidade de observar.

A visita não poderia ficar completa sem um magnífico passeio de barco pelo Tejo, junto às Portas do Ródão, que convida à contemplação deste local ímpar, resultado da transformação química e erosão das rochas, ao longo de milhões de anos.

Apure os sentidos e deixe-se surpreender pelos aromas de primavera que pairam no ar.

Deixe uma resposta