A leste de Ourense, não muito longe da confluência do rio Sil com o rio Minho, a Ribeira Sacra (ou Sagrada) é terra de mosteiros, ermitérios e igrejas românicas (o maior aglomerado da Galiza) que se estabeleceram por aí a partir do séc.VI e cuja primeira referência histórica consta do manuscrito fundacional do Mosteiro de Montederrama, datado do ano de 1124, escrito por Dª Teresa de Portugal. O seu apogeu situa-se entre o séc. X e o séc. XIII, sendo posteriormente abandonados em 1835, em consequência do confisco dos bens da igreja por Mendizabal, e que teve como consequência o seu abandono. Atualmente estão a ser recuperados fazendo parte do património histórico-cultural de Espanha desde 1923. Conhecida pelos seus tesouros naturais e biológicos, a sua paisagem dessa região é marcada pela imponência das escarpas do vale do rio Sil, de origem tectónica, e pelos bosques de carvalhos e castanheiros, testemunhos vivos de um passado sagrado, mítico, como os druídas celtas que habitaram a região, num exemplo magnífico da fusão entre a presença milenar do homem e a natureza, expressa nos socalcos, de origem romana, onde se cultiva a vinha. Os vinhos, cujas variedades mais conhecidas são o godelho, o mencia e o amandi, têm Denominação de Origem Ribeira Sacra e são de grande qualidade. São essas terras, gentes e cultura que VIDABOA vos propõe descobrir, numa época doano em que a paisagem se torna verdadeiramente encantatória.

Deixe uma resposta